sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Uma verdade inconveniente brasileira

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Por Henrique Andrade Camargo em 11/12/2008
Fonte: Mercado Ético

Falar em verdade inconveniente no Brasil chega a ser pleonasmo. Há várias delas em todo lugar da nação. Por hora, vamos ficar com o aquecimento global e tratar de um ponto que Al Gore não trata no “Uma verdade inconveniente” dele: a pecuária.

Diz-se que a demanda por energia dos países ricos é a principal culpada pela situação desagradável que enfrentamos hoje. A queima de combustíveis fósseis para a produção dessa energia libera muitos gases de efeito estufa na atmosfera, principalmente o demonizado CO2.

Não é o caso do Brasil, já que 80% da energia utilizada no país vem de hidrelétricas, consideradas fontes limpas. Mas a situação aperta quando o assunto é pecuária.

Não vamos fazer catecismo vegetariano ou declarar guerra aos carnívoros e pecuaristas do mundo (muito menos em época de festas). O importante é ter consciência de como um simples ato de alimentação pode condenar todo um sistema (não vamos abordar sobre qual é o melhor ou pior regime para o ser-humano). No fim das contas, cada um escolhe o que coloca dentro da própria boca.

Um gás malcheiroso

Toda vez que vou ao cinema aqui em Londres, onde moro atualmente, sou obrigado a assistir ao reclame da fabricante de sorvetes Ben & Jerry’s. Eles se dizem livres da pegada ecológica. Um dos pontos da propaganda é a menor flatulosidade de suas vaquinhas leiteiras que, como afirmam, contribui para diminuir o efeito estufa.

Apesar de soar um tanto cômico, aquilo me chamou a atenção. Quer dizer que, além de malcheirosos, os traques também esquentam o globo?

Claro! O metano produzido pela digestão bovina (ou por qualquer outro meio) é um dos gases que mais contribuem para o efeito estufa. O CH4 tem uma alta capacidade de armazenar calor - 21 vezes maior que o grande vilão CO2.

E está aí uma das maiores contribuições do Brasil para o aquecimento global.

O país conta com aproximadamente 200 milhões de cabeças de gado. É o maior rebanho comercial do mundo. Levando-se em conta que cada boi emite até 60 kg de CH4 por ano, chega-se a 12 milhões de toneladas desse gás despejadas na atmosfera pelos bovinos brasileiros. Já que o metano é 21 vezes pior que o CO2, não seria exagero dizer que essa quantidade equivale a 252 milhões de toneladas de dióxido de carbono, o mesmo montante produzido pelas queimadas na Amazônia.

A Organização das Nações Unidas (ONU) já estudou o caso. De acordo com a entidade, a criação animal para consumo humano contribui em 40% mais para o aquecimento global do que os aviões, carros e caminhões do planeta.

Não foi à toa que, há alguns meses, Su Taylor, da Vegetarian Society, organização vegetariana do Reino Unido, disse à revista New Scientist que a maneira mais fácil de reduzir a pegada ecológica é parar de comer carne.

Claro que isso não vai acontecer. Mas uma conscientização do ônus ambiental causado pela pecuária é o primeiro passo para, pelo menos, diminuir o consumo e, conseqüentemente, o estrago dessa atividade.

* Henrique Andrade Camargo é jornalista e blogueiro (http://www.minhalondres.blogspot.com). Já trabalhou para a Gerência de Comunicações do Grupo Abril e colaborou com revistas como Viver Psicologia, VIP e Superinteressante. Nesta última, junto com a equipe da publicação, ganhou medalha de ouro no Prêmio Malofiej 2005, o Oscar da infografia mundial, que é concedido pela Universidade de Navarra, na Espanha.

4 comentários:

Guto Sguissardi disse...

Comer carne é um ato cultural. No Brasil comem-se vacas, na Índia, não. Na China come-se cachorro, no Brasil isso é um absurdo... De uma forma ou de outra, comer carne é uma atitude cultural estimulada graças, em grande parte, a interesses financeiros muito fortes. Muita gente acha um absurdo apenas tocar no assunto "parar de comer carne" mas o tempo de comodismo da espécie humana está se esgotando... certas atitudes terão que ser tomadas por bem ou por mal.
Afinal "o planeta é maior que a economia".

Su disse...

Olá, gostamos muito deste blog e o conhecemos através de um evento no Renaissance, onde deu uma palestra muito legal, sobre Ecoeconomia e sustentabilidade. Bom, por ser um blog muito interessante, nós da Sagarana indicamos vocês para o Prêmio Dardos, um prêmio para blogs na internet. Para entender melhor, basta ver nosso post onde indicamos este blog: www.gritodascinco.com.br
Parabéns!

Andrea paccini disse...

Olá Hugo, onde vc anda? Já estou com saudade de novos posts...

Encontrei um video que nunca tinha visto sobre este assunto que nos interessa tanto...

Divulgue, pois é de fácil entendimento: duas parte

Parte 1

http://www.youtube.com/watch?v=ZpkxCpxKilI&feature=related

parte 2

http://www.youtube.com/watch?v=ZgyNw5pIXE8&feature=related

Hugo Penteado disse...

Andrea Paccini, preciso do seu email!!!! bjs Hugo