quarta-feira, 18 de junho de 2008

Carlos Minc anuncia apoio da Fiesp contra desmatamento da Amazônia

Interessantíssimo, a única coisa que precisamos salientar é que isso é mais que a obrigação, isso deveria ser dado, é como não matarás.... Mostra a idade da pedra que estamos: "Ah, é verdade, não podemos comprar coisas que envolvem escravidão, morte e desmatamento, puxa, porque não disseram isso antes? Pelo menos isso mostra que quem desmata a Amazônia somos nós! Os consumidores!
Carlos Minc anuncia apoio da Fiesp contra desmatamento da Amazônia
10/06/2008
Em evento hoje (10/6), na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, anunciou duas iniciativas para se diminuir o desmatamento na Amazônia:

Em breve será assinado termo de cooperação do ministério com a federação das indústrias paulistas para que o setor passe a só comprar produtos de fornecedores que não estão desmatando a floresta;

A partir de 15 de junho, grandes empresas do país - basicamente frigoríficos, siderúrgicas, madeireiras e agropecuárias - serão notificadas para que, em no máximo 60 dias, encaminhem ao governo a listagem dos seus fornecedores de produtos originários da Amazônia, para que seja fiscalizada sua procedência.

"Não estamos criando punições novas, mas dando prazos para o cumprimento de leis já existentes. As empresas serão co-responsáveis pelos crimes ambientais cometidos pelos seus fornecedores e arcarão com as penas da lei. É o 'cumpra-se' da fiscalização das cadeias produtivas", afirmou o ministro, referindo-se à campanha que desenvolve há anos no Rio de Janeiro, como deputado estadual, pelo cumprimento das leis.

O ministro falou sobre a Amazônia e outros temas em palestra para integrantes do Conselho Superior de Meio Ambiente da Fiesp, na sede da entidade, na Cidade de São Paulo. A reunião foi aberta a jornalistas que, assim como os integrantes do conselho, puderam fazer perguntas a Minc.

Ao lado do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o ministro disse que "não adianta colocar um policial atrás de cada um para se evitar o desmatamento da Amazônia". Ao contrário, segundo ele, é preciso dar condições de renda para que os 25 milhões de habitantes da região possam produzir de forma sustentável, sem destruir a floresta.

Nessa linha de atuação, Minc defendeu o apoio dos empresários modernos que já perceberam a importância de se ter desenvolvimento econômico aliado à preservação do meio ambiente. Segundo o ministro, o apoio da Fiesp é fundamental nesse processo.

"Não há outra forma de qualificar e modernizar a cadeia produtiva. A própria indústria tem que fiscalizar a cadeia dos seus fornecedores. Tenho certeza de que a Fiesp será nossa parceira no sentido de resgatar a Amazônia, contra esse modelo predador", disse Minc.

O presidente da Fiesp deu apoio às declarações do novo ministro do Meio Ambiente, afirmando ser importante o combate a "eventuais empresas que estejam fora da lei, desmatando".

Em sua palestra, o ministro não falou apenas da Amazônia, defendendo também ações para o aumento do índice de saneamento no país, para a diminuição da poluição atmosféricas nos grandes centros urbanos e para investimentos em tecnologias limpas, entre outros temas.

Segundo Minc, serão adotados no Brasil padrões mais rigorosos de controle da poluição do ar, a exemplo do que ocorre em países desenvolvidos. Em relação ao combate aos crimes ambientais, o ministro anunciou que, em 15 dias, o presidente Lula deverá assinar decreto, com 50 artigos, regulamentando a Lei de Crimes Ambientais, tornando-a mais rigorosa.

Entre os pontos acordados com o presidente, os prazos para recursos dos supostos criminosos cairão de três a quatro anos para três a quatro meses. E o Ibama, a exemplo da Receita Federal, terá poder para leiloar imediatamente os bens apreendidos, para inclusive usar os recursos auferidos para financiar as ações de combate aos crimes ambientais.

2 comentários:

Ricardo disse...

Ou seja: não faz mais do que a obrigação e a gente ainda tem que bater palmas? Essa está muito boa...

Roberta disse...

...dizem os mais sábios???..."ESPERANÇA" é a última que morre!...será?...faço parte da população que não acredita,quase, em mais nada, mas que ainda sonha em um mundo melhor, com um "PLANETA MELHOR"!...os políticos?!...só dando risadas deles e para "ELES"...como ter esperança, como acreditar nas suas promessas...agora, se ficarmos sem o nosso "PULMÃO", o que será de todos nós!...nada deveria ser feito por obrigação, e sim por "AMOR", a cada um de nós...
Hugo, eu admiro vc!...admiro o ser humano que vc é!...parabéns pelo o "NOSSO FUTURO EM COMUM"...muito sensível, ao mesmo tempo inteligente e profundo!...beijos!...Roberta!