segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Fim da água à vista: uma grande conquista!

Por favor se comentar deixe um email para contato.



Adicionamos a isso que:

1) os economistas e os governos e as empresas trabalham com a idéia que recursos naturais e serviços ecológicos são inesgotáveis; água incluso, não há uma variável para água em qualquer um dos modelos econômicos usados pelos economistas para prever o crescimento econômico, através do qual se pretende que a economia é neutra para o meio ambiente e que o meio ambiente é inesgotável (e a economia pode ser maior que o planeta, como acreditam Paul Krugman, Robert Solow, Joseph Stiglitz e Nouriel Roubini).

2) se a água se torna escassa, porque foi mal usada ou poluída isso é comemorado, porque se criou um novo mercado para essa barbaridade - os economistas falham em perceber que é uma falha do modelo e do mercado deixar a água se tornar escassa e incluir a água na economia depois da sua degradação pode implicar em um erro que signifique o fim da humanidade na Terra - para isso basta lembrar que a maior ameaça do aquecimento global é o fim da água e não a elevação dos oceanos apenas (aquecimento global não é o problema, é um dos problemas também, outro erro comum é achar que só temos problema de energia e não temos nenhum problema de matéria - ah tudo bem, tinha me esquecido que a energia será usada para movimentar entidades invisíveis e corpos humanos imateriais...);

3) embora água seja um recurso finito, por uma série de teorias mirabolantes e a crença em ganhos de eficiência, os economistas não prevêm que ela venha a se tornar uma restrição para uma demanda exponencial e crescente, embora a falta de água - que é um recurso finito e sempre será finito - e de outros recursos naturais já estejam criando tensões militares e claramente será a razão de guerras descomunais no futuro (já temos governos muito bem preparados para isso).

4) apesar de tantas evidências e alertas científicos e fatos contundentes sobre o desastre que se avizinha, nenhuma - deixa eu repetir - NENHUMA mudança de rota e de política ou visão de mundo está sendo implementada no mundo inteiro! Continua prevalecendo uma das idéias do Banco Mundial pela qual a causa da poluição é a pobreza! Continua prevalecendo três noções surrealistas: - eu não posso abrir mão do lucro, mas posso abrir mão do planeta; - filosofia NIMB (not in my backyard), crédito ao Marcelo Michelsohn, teoria pela qual as pessoas mesmo despertas para a situação não acreditam que maus eventos poderão alterar suas vidas e - sim, a economia pode ser maior que o planeta. A pior de todas é a crença falsa pela qual o exemplo de países pequenos e desenvolvidos que desmantelaram setores intensivos em energia e passaram a viver de royalties possa ser um exemplo do que pode ser feito na economia global. Resposta: pode, os países maduros transferiram o peso para os outros povos atrasados; agora esses povos que chegaram tarde terão que transferir o peso aos marcianos e está tudo certo, nada de mudar paradigma. Mudar para quê? Só por que há o risco de extinção da humanidade?

Nenhum comentário: