quarta-feira, 18 de março de 2009

Sinais da crise planetária

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Estou doente, com gastrite em casa, enjoado até dizer chega, gastrite que eu adquiri tomando café demais. Tomei café demais por nervoso, talvez. É tudo, a crise econômica e a cegueira à nossa volta, tudo me aflige. O dia de ontem enquanto deitado na cama me sentia como se estivesse nauseado num navio, vi a chuva forte, protegido, mas rezando baixinho, sabia que não era assim que as coisas estavam lá fora.

Acordei nauseabundo ainda, com a gastrite e assisti quatro vídeos no uol. Abaixo os endereços dos vídeos e os comentários que fiz.

Chuva em São Paulo: vídeo 1, vídeo 2 e vídeo 3

Isso mostra que o homem não manda na natureza, é limitado por ela, dependente do planeta e da natureza e agora, pela sua alucinação coletiva, irá colher os piores desastres enquanto os governos do Brasil e do mundo todo insistem no erro de manter a idéia de crescimento econômico infinito como se isso fosse feito pelo bem da coletividade, sem prestar atenção que o crescimento econômico é um mecanismo de diferenciação social e opressão que deixa só os ricos mais ricos e a natureza cada vez mais vingativa. É hora de abolir essas idéias retrógradas e voltar vários passos para trás, se quisermos salvar parte da humanidade. Do jeito que vai, com mais carros, mais construções, mais pessoas, sempre aumentando num espaço finito, um dia São Paulo não vai parar apenas por um dia, vai parar de vez. Espero que a gente possa mudar nossa consciência antes disso. Hugo Penteado

Frangos morrem por falta de energia: vídeo 4


Por isso parei de comer carne, a crueldade a qual são submetidas as criaturas de Deus, que não sei porque razão achamos que não sentem dor e podem ser "usadas por nós" é um dos maiores horrores que existem na nossa civilização atual. O frango industrializado, confinado, cheio de hormônios é visto como causador de doenças e nas mulheres câncer de mama. Se ao invés de comermos tanta carne, comêssemos mais vegetais, a oferta de alimentos aumentaria muitas vezes, porque não comemos a vida dos bichos, comemos a sua morte. A vida horrenda, aterrorizante e karmática que eles viveram ficaram para eles. E nós não temos falta de alimentos, temos excesso de gente, ainda alguém vai ganhar um prêmio nobel ao lembrar que o território dos países é constante e não aumenta de tamanho. Porque então podemos aumentar a produção de coisas, pessoas, bens, casas, carros, infinitamente se o espaço é finito? E pelo bem de quem isso é feito? Nosso? Hugo Penteado




2 comentários:

PEV disse...

Prezado Hugo, como vai? Estamos divulgando a 9ª Edição do Prêmio Ethos-Valor, concurso para Professores e Estudantes Universitários sobre responsabilidade social empresarial e desenvolvimento sustentável aplicado às empresas. As inscrições para o Prêmio acontecem até 13 de abril e podem ser feitas em nosso site www.premioethosvalor.org.br. Mais informações também estão em http://premioethosvalor.blogspot.com/

Como achamos os temas abordados por você em seu blog pertinentes com os temas que trabalhamos no concurso, gostariamos de saber se é possível contar com uma notinha sobre o concurso. Tenho certeza que é uma oportunidade de discussão sobre o tema que pode ser de interesse de seus leitores.

Desde já, obrigado.

Atenciosamente,

Bruno Asp
Comissão Organizadora do Prêmio Ethos-Valor
premio@ethos.org.br

Elaine disse...

Olá Hugo!

Espero que estejas melhor, na medida do possível...
Eu me identifico muito com seus pensamentos, com esse blog, suas idéias, quero muito ter um trabalho que siga essa linha sustentável, de preservação, de conscientização que nossa terra é sagrada, nossa natureza é sagrada e precisa de cuidado. Essa mania de carros, consumo, Ter sempre mais me irrita.

Faz alguns anos, entrei em depressão grave depois de assistir várias aulas de Geografia profunda na especialização. Claro que eu deveria já ter alguma tendência à deprimir, mas assim que assisti essas aulas, me senti tão impotente diante dos fatos, não sabia como agir, pois na minha cidade nenhuma ONG dita ambiental funciona direito, com ações, na prática, então vi um mundo ideal nas aulas mas não tinha como aplicar fora da aula, tudo estava realmente torto e continua. Hoje me sinto curada - espero que pra sempre, mas sinto que preciso e quero fazer algo mais.

Você pode me dar alguma dica, sou apaixonada pelo assunto agricultura orgânica, preservação ambiental em geral, menos consumo, anti-marketing, onde estão esses trabalhos, pela internet ou fora, remunerado ou não, coloque dicas aqui no blog ou envie em meu email.
Sei muito bem como é tudo isso que vc sente, eu sinto igual, mas é difícil achar um grupo para trabalhar unido pela causa.

Um abraço
Elaine/tradutora e coordenadora da versão brasileira do TakingITGlobal - Movimento Global de jovens unidos por direitos humanos.
OBS: apesar de trabalhar com essa organização, não estou satisfeita, não estou completa, não me sinto útil na questão ambiental, é pouco demais.
OBRIGADA e continue sua luta!Até
Se alguém que aparece nesse blog quiser montar um grupo nesse esquema, ou souber de um pode entrar em contato comigo.
hospededautopia@hotmail.com