segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Fracasso do COP15 deriva do fracasso do modelo econômico

Por favor se comentar deixe um email para contato.
Assusta e muito a forma como estamos sendo incapazes de enxergar os limites da Terra para a humanidade, não só no quesito clima, mas em muitos outros. Existe uma passagem na bíblia na qual Deus pergunta a Joh: “Por ventura foste tu que deste lei à luz da manhã?” A cegueira dos economistas então nem se fale, quando faço essas perguntas, eles oferecem um silêncio ignominioso, embora esteja mais do que provado há mais de 50 anos que a teoria econômica tem todos os seus postulados e princípios de conservação que modelam todas as suas pilastras na mecânica clássica. O significado disso é um dos maiores erros teóricos que se teve notícia: dentro desse corpo teórico, a economia é vista como totalmente independente do meio ambiente e, para piorar, o meio ambiente é considerado inesgotável. A salvação tecnológica é a pá de cal desse modelo contrário a todas as evidências da realidade socioambiental. Nem a restrição territorial (o tamanho dos países é constante) é levada em conta e sobre um mesmo território cometemos o absurdo de adicionar estruturas crescentes, como carros e construções e casas, a maior parte deles absolutamente desnecessária, ruindo com os 20 serviços ecológicos que dão sustentação à vida. Não é só o clima que nos ameaça, aquecimento global não é o problema, mas um dos problemas. E não é o planeta que está ameaçado, somos nós, a ponto de Stephen Jay Gould ter dito sobre a maior extinção da vida registrada agora em curso: “É muita ingenuidade achar que essa extinção jamais irá se voltar contra os causadores.” A humanidade provocou a maior extinção de espécies animais e vegetais dos últimos 65 milhões de anos, a terceira maior de todas.

O erro segue sem correção: para os economistas, a economia pode ser maior que o planeta, ou na verdade, eles consideram o planeta um subsistema da economia. Alguém desse grupo tem noção do quanto isso é completamente fora da realidade? Essa visão econômica tem agradado os interlocutores gananciosos (nossa sociedade se tornou extremamente gananciosa) e criou a idéia falsa de escassez. Só existe escassez quando há ganância e necessidades ilimitadas, para um crescimento de coisas e pessoas também ilimitado. Embora a economia seja uma irmã siamesa bem menos desenvolvida que a física clássica, ignorou seus avanços e não se adaptou às novas formas de realidade sistêmica que vieram nos últimos 200 anos. Isso é mais surreal do que o fiasco da COP15. Essa visão equivocada é a razão desse fiasco.

Sinto calafrios quando ouço o discurso dos nossos políticos, imantado nessa visão megalomaníaca suicida dos economistas que criaram a economia como um bicho que não tem boca nem estômago (de onde vem os recursos pouco importa), nem intestino nem reto (para onde vão os resíduos pouco importa). É um sistema circulatório apenas, sem contato com as extremidades, poderia estar flutuando em marte e mesmo assim não precisaríamos adaptar a teoria em nada. Daí deriva a nossa adoração pelo deus crescimento econômico e aquilo que é considerado solução dos nossos problemas, é seu agravante. E o agravo é tal agora que não podemos contar mais com a possibilidade da vida ser sustentada pela Terra. Na verdade temos um conflito de identidade horroroso, não sabemos se somos deuses ou apenas mais uma espécie animal. Se formos o último e se a vida está ameaçada, não podemos contar que sairemos ilesos. Essa forma filosófica de encarar a questão é semelhante a dizermos: “Nunca morri até agora e isso significa que nunca irei morrer” ou “o planeta nunca expulsou a humanidade inteira, portanto isso nunca acontecerá.”

Na lista das excentricidades, dias antes da COP15, os Estados Unidos aprovaram seu orçamento militar de 2010: US$ 630 bilhões. Os chineses possuem só 16 ogivas nucleares, porque sabem que elas são suficientes para destruir a humanidade duas vezes. Os Estados Unidos possuem 60.000, pois o plutônio, subproduto da energia nuclear, é comprado continuamente como única forma de financiar a energia nuclear. A cada 10 anos, as ogivas têm que ser refeitas, um negócio, por assim dizer, da China, que talvez copie o modelo quando abandonar o carvão a favor do urânio. Por ora, carvão não é abandonado nem na China, nem no estado de Dakota nos Estados Unidos, porque os governantes dizem que se mudarem a matriz apenas por questões ambientais, isso inviabilizaria a economia. É a mágica das externalidades, custos relacionados ao nosso sistema que são socializados com todos e com o futuro, se fossem reconhecidos, descobriríamos que mais da metade do nosso progresso é falso e o sistema inteiro é insustentável. Esse mesmo mesmo argumento aparece na questão ambiental e agrícola da Amazônia. Graças aos economistas e seus modelos, tudo é regido pela total separação mesquinha: quanto mais viável economicamente for uma atividade, mais ambientalmente inviável ela é. Os economistas não se preocupam com isso, porque acreditam que nada é feito com o meio ambiente e os recursos da natureza são insignificantes e possuem substitutos perfeitos através da engenhosidade humana. Os físicos caem de costas ao ouvirem essas baboseiras.

Mas um ponto não pode passar despercebido: a total falta de finalidade de se ter 60.000 ogivas é equivalente a quantidade enorme de veículos, consumo estúpido, quantidade de lixo a cada minuto grotesca, casas gigantescas e obras absurdas como Dubai, transposição do Rio São Francisco, usina das Três Gargantas ou construção de novas usinas hidrelétricas na Amazônia. Tudo isso feito lado a lado com o colapso do transporte nas cidades, quando 50% da energia é desperdiçada no mundo todo, quando não existe mais relação alguma entre crescimento econômico e qualidade de vida ou bem estar. Se falta energia no mundo, é porque falta “produzir” mais energia, não é porque há excesso de demanda nem porque há desperdício. Se há fome no mundo, é porque falta “produzir” alimentos, não é porque há excesso de gente, desperdício e enormes ineficiências, como o consumo de carne. Adeus ecossistemas e a vida na Terra, esse será o resultado final da nossa visão de mundo. Estamos céleres a caminho desse resultado e tudo indica que somente quando o planeta revidar os estragos que fizemos, iremos repensar esse modelo que passou por uma degeneração socioambiental opressiva e acelerada, principalmente nos últimos 40 anos, mas que perto do que virá pela frente, será nada.

8 comentários:

Marta Caputo disse...

... e assim caminha a humanidade.

Wa Mor disse...

Sr Hugo, oque é texto:


1.- Relatório Brundtland é o documento intitulado Nosso Futuro Comum, publicado em 1987, no qual o desenvolvimento sustentável é concebido como “o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.

(IHU On-line)

inserido na entrevista do professor José Eli da Veiga
no link:
http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/mundo-em-transe-os-desafios-do-ecodesenvolvimento/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=mercado-etico-hoje

Obrigado.

Wa Mor disse...

Esse professor é louco ou, se possível comenta.
Por Carlos Madeiro
Especial para o UOL Ciência e Saúde

Com 40 anos de experiência em estudos do clima no planeta, o meteorologista da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion apresenta ao mundo o discurso inverso ao apresentado pela maioria dos climatologistas. Representante dos países da América do Sul na Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Molion assegura que o homem e suas emissões na atmosfera são incapazes de causar um aquecimento global. Ele também diz que há manipulação dos dados da temperatura terrestre e garante: a Terra vai esfriar nos próximos 22 anos.

Em entrevista ao UOL, Molion foi irônico ao ser questionado sobre uma possível ida a Copenhague: “perder meu tempo?” Segundo ele, somente o Brasil, dentre os países emergentes, dá importância à conferência da ONU. O metereologista defende que a discussão deixou de ser científica para se tornar política e econômica, e que as potências mundiais estariam preocupadas em frear a evolução dos países em desenvolvimento.
Mais detalhes:
http://raivaescondida.wordpress.com/2009/12/12/%E2%80%9Cnao-existe-aquecimento-global%E2%80%9D-diz-representante-da-omm-na-america-do-sul/

Wa Mor disse...

Sr. Hugo, lendo seu texto, refleti rapidamente. E tenho certeza que os donos do poder irão fazer gerigonças imensas pra mudar o clima. Já vi até alguns nas mídia como foguetes irão montar espelhos pra sombrear a Terra.
Assim a economia num para de crescer e assim se vai....até quem sabe.
BOA SORTE NA SUA ARCA DE NOÉ!

deia disse...

Pizza de Kyoto ao molho de sangue dos golfinhos Camerom!
Acho que Copenhagen tem de começar a limpar o seu rabo sujo e podre para depois pensar em fazer média sediando acordo climático! É tudo "businesses" pra trouxa ver e acreditar... Os Golfinhos Cameron estão sendo mortos todos os anos lá mesmo, na Dinamarca e ai alguém falou a respeito nessa reunião, ah não né.. porquê será?
Copenhagen não merece sediar reunião da ONU sobre o clima, DINAMARCA cheira a sangue dos Golfinhos Camerom!! Não são confiáveis. "Há algo de podre no Reino da Dinamarca" http://bit.ly/PE6jr

deia disse...

andreiavedder@hotmail.com, esqueci de deixar o e-mail :/

Grazi disse...

Hugo, bom dia!

Acho importante lhe enviar esse link sobre a Felicidade Interna Bruta que tem tudo a ver com o movimento da nova civilização que está por vir mas que depende dos esforços de todos nós que somos conscientes que o sistema atual impregnado no mundo todo não é sustentável e não nos torna indivíduos mais felizes.

Abraço e espero que realmente possa aproveitar este movimento que precisa muito de apoio de todos os tipos para sua expansão.

http://felicidadeinternabruta.blogspot.com/

meu nome é Graziela S.Teixeira, fui funcionário do Real por 12 anos e saí recentemente em nov/2009. Já tive o prazer de sentar-me ao seu lado para uma de suas palestras para clientes.
Conheci pessoalmente o Instituto Visão Futuro e a Susan Andrews que é monja e está nesta luta incansável para disseminação do amor pelo mundo começando pelo Brasil, terra onde os indivíduos ainda possuem amor no coração.

bjos
Graziela
grazist@hotmail.com

Carol disse...

Hugo, texto muito bom. Concordo com tudo... é desanimador ver que os líderes e governantes não podem dar mais do que deram na COP15, por falta de visão, egoísmo, e etc...

Abraços

Carol
http://sementesustentavel.blogspot.com