segunda-feira, 28 de julho de 2008

Da série: querida acho que destruí o mundo! Capítulo 2

Paul Krugman é um economista extremamente preocupado com os maus resultados da teoria econômica, mas como a grande maioria, ao invés de enxergar nesses resultados indícios de uma teoria falsa, de um modelo fracassado, ele prega messianicamente a necessidade de dar mais do remédio amargo que está colocando o paciente na direção da morte. O remédio amargo é o crescimento econômico, que não é a solução, mas o problema. Basta lembrar que o setor imobiliário dos Estados Unidos aumentou o número de casas de 1.000.000 em 1900 para 190.000.000 no ano 2000 e, pasmem, o território do país ficou constante. Mas os economistas sempre vão achar uma solução (ou os governos...): demolir as casas abandonadas para reconstruí-las. A parcela marginalizada de milhões de pessoas nos Estados Unidos cada vez mais brasilinizado na miséria pouco importa, essa atividade de demolição é positiva para o PIB (contratar empresas e pessoas para demolir, lógico que as pessoas num trabalho ingrato...) e reconstruir (as construtoras agradecem). O impacto ambiental de demolir e reconstruir, na varinha mágica da teoria dos economistas é zero!!!

Por isso escrevi uma carta ainda sem resposta para esse economista. Ver abaixo a versão em inglês e em português (sem tempo para maiores correções de texto):

Dear Mr. Krugman,

I have three requests to you.

First one, I would like you to prove that economic growth, like US did, it is possible to be done for all world nations without creating a planetary collapse. It seems to me that US and advanced nations progress was planetary possible just because they did this alone. And after advanced nations got their local environmental collapse, they started to export to other places of the world through global commerce at a null cost. I would like to see what is going to happen to the planet if the BRICs try to catch up. I also see that in economic theory, the role of natural resources is until today absolutely dismissed. If it is so irrelevant, why US do not stop importing them? And why US do not stop doing wars for them? Economists only think about tangible natural resources, they even care about natural non-irreproducible services, like polinization. This are some points I would like you to use in your response. In sum, my question is: infinite economic growth is planetary possible, without putting humankind in the risk of its own extinction (considering that we already created the biggest life extinction of the last 65 millions of years)?

Second, I am not convinced that job creation and social benefits are a direct result from economic growth, I think they are just tautological results. If economy growth accelerates, job will be there; otherwise, if growth decelerates, say good bye to the jobs. Wealth concentration is at the records mainly in advanced nations. Moreover, I am not sure if current economic statistics, like GDP and unemployment rates capture the real human situation at work (if they are happy, if they are free, if they are learning, if they have plan B instead of being scared of being fired, etc.). Nordhan University Social Health index and other studies showed very different results, very bad ones. That is very important, because the planet devastation is justified by social benefits created by the eternal economic growth.

Last, not the least, do you think we need Nature?

Tks in advance for your attention, I will be glad to see your thoughts about these questions.

Best wishes,


Hugo Penteado from Brazil, where during the last 13 years (FHC and Lula mandates) Amazon forest destruction accelerated 3.000% and we are just copying the same economic model from US (that destroyed 99% of its natural forests) and Europe (99,7%).

Prezado Sr. Krugman,

Eu tenho três solicitações para você.

Primeiro, eu gostaria que você provasse que o crescimento econômico, igual ao dos Estados Unidos, é possível para todas as nações do mundo sem provocar um colapso planetário. Tudo indica que o progresso dos Estados Unidos e das nações desenvolvidas só foi planetariamente possível porque eles fizeram isso sozinhos. Depois que os países ricos atingiram seu colapso ambiental local, eles começaram a exportá-lo para outros lugares do mundo através do comércio gloabal a custo zero. Eu gostaria de antecipar o que vai acontecer ao planeta se os BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) tentarem fazer o mesmo. Eu também percebi que na teoria econômica o papel dos recursos naturais é até os dias de hoje completamente ignorado. Se é tão irrelevante, porque os Estados Unidos não páram de importá-los? E porque os Estados Unidos não param de fazer guerra por eles? Economistas só pensam em recursos naturais na sua tangibilidade, eles nem se preocupam em analisar os serviços naturais irreproduzíveis, como a polinização natural. Esses são alguns pontos que eu gostaria que você usasse em sua resposta. Em suma, minha questão é: crescimento econômico infinito é planetariamente possível, sem colocar a humanidade no risco da sua própria extinção (considerando que já criamos a maior extinção da vida dos últimos 65 milhões de anos)?

Segundo, eu não estou convencido que criação de empregos e benefícios sociais são um resultado direto do crescimento econômico, eu acho que são resultados tautológicos. Se crescimento econômico se acelera, os empregos estarão lá; se o crescimento desacelera, diga adeus aos empregos. Concentração de riqueza é recorde principalmente nas nações desenvolvidas. Acima de tudo, eu não estou tão seguro se as estatísticas econômicas convencionais, como PIB e taxa de desemprego, capturam a situação humana real no trabalho (se eles são felizes, se eles são livres, se eles estão aprendendo, se eles têm um plano B, ao invés de recearem uma demissão, etc.). O Índice de Saúde Social do Nordhan University e outros estudos mostram resultados muito diferentes, muito ruins. Isso é muito importante, porque a devastação planetária é justificada pelos benefícios sociais criados pelo crescimento econômico eterno.

Último, mas não menos importante, você acha que nós precisamos da natureza?

Obrigado antecipadamente pela sua atenção, ficarei feliz em ver seus pensamentos sobre essas questões.

Cordiais saudações,
Hugo Penteado do Brasil, onde durante os últimos 13 anos (governos FHC e Lula), a destruição da floresta Amazônica acelerou 3.000% e nós estamos apenas copiando o mesmo modelo econômico dos Estados Unidos (que destruíu 99% das suas florestas naturais) e da Europa (99,7%).

Nenhum comentário: