segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Ecogerente, o profissional do futuro que já está chegandoquarta-feira, 28 de julho de 2010

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Pode ser lido em: http://www.canalrh.com.br/Mundos/gestaocarreira_artigo.asp?o=%7B9045A98E-7EF9-42B5-92EF-30D79644EDD1%7D&sp=-QUM5x6@AC.K:Q.N3pQ.N3@TUG:.HyN@J?9


Ecogerente, o profissional do futuro que já está chegando

--------------------------------------------------------------------------------
por Marina Gaspar

Entre as profissões que vão estar no topo do mercado de trabalho nos próximos anos, nem todas estão voltadas para a tecnologia. A responsabilidade ambiental, um segmento que já tem se mostrado muito promissor, ganhou ainda mais força após uma pesquisa da Fundação Instituto de Administração (FIA) da USP mostrar que, dentro de alguns anos, as empresas vão demandar cada vez mais o cargo de administrador de ecorrelações, ou ecogerente. Ao mesmo tempo em que a oportunidade é enorme - nos Estados Unidos, 10% dos empregos são considerados verdes hoje -, fica o desafio de desbravar uma profissão cujo perfil ainda está um tanto obscuro.

"Trata-se de uma nova designação para o profissional ligado à área de responsabilidade social e sustentabilidade. Ele exerce uma função de articulador entre o negócio e as demandas do mercado de forma a transformar essa relação em uma comunicação mais genuína. É o profissional que potencializa a gestão estratégica sem perder de vista a preservação ambiental e a proteção dos recursos naturais", explica Cláudio Andrade, instrutor do UniEthos e especialista na incorporação de práticas de responsabilidade social na gestão estratégica.

A diferença em relação aos profissionais que já conduzem iniciativas ambientais nas empresas hoje em dia é que o ecogerente o fará de uma maneira muito mais ampla e estratégica, o que demandará dele, também, maior conhecimento da área em que atua. "O administrador de ecorrelações tem uma visão ambiental mais estratégica. Às vezes as empresas querem pegar carona na onda da sustentabilidade com projetos ambientais, mas esse gestor vai conseguir conduzir projetos efetivos para o meio ambiente que, consequentemente, vão se refletir positivamente no negócio da empresa", diz Daniel Estima, professor do Profuturo, instituição responsável por previsões de mercado da FIA.

Na prática, a atividade desse funcionário verde vai estar amplamente ligada à natureza do negócio. Cláudio Andrade cita o exemplo de uma indústria automobilística, na qual a pesquisa de novas fontes de combustíveis pode ajudar a reduzir a emissão de gases que causam o efeito estufa. "A função do ecogerente aqui é a articulação entre as partes interessadas em novas demandas de consumo consciente. Dessa maneira, além de contribuir de modo significativo para a melhoria do meio ambiente e da sociedade pode também contribuir de maneira quantitativa para relações comerciais de negócios", diz.

Diploma verde

Se as atividades do ecogerente ainda estão começando a ser estruturadas pelas empresas, o perfil desse profissional ainda não está totalmente desenhado - nem há uma receita exata de formação requerida. "O recomendável é fazer um curso universitário que proporcione uma visão mais ampla, como administração ambiental, e, depois, procurar especializações", sugere Daniel. Ele ressalta que o titular do cargo de ecogerente precisa ter conhecimentos em gestão de projetos e comunicação, além, claro, de visão ambiental.

Algumas instituições de ensino começaram a dar alguns passos em relação a esse promissor mercado de trabalho, como a Fundação Oswaldo Cruz, que já tem o projeto de um curso de pós-graduação em Comunicação e Gestão da Sustentabilidade. "O objetivo é dar competência de ecogerência aos profissionais de comunicação", explica Cláudio, que trabalha junto com a instituição na articulação da novidade.

Para as empresas, ter o cargo criado e preenchido é mais que justificável. "As maiores vantagens para as empresas são duas: aumentar a capacidade de gerenciamento da cadeia de valor e, assim, diminuir riscos de negócios; e a valorização da marca, o reconhecimento como empresa cidadã, verdadeiramente", diz Cláudio. "Com um planejamento de projetos ambientais bem feitos, a empresa tem ganhos nos processos e na imagem", finaliza Daniel.

Um comentário:

Décio Luiz disse...

Oi, gente.
Conseguimos "espaço" no Portal Luis Nassif
www.luisnassif.com/profile/DecioLuizMendes
Temos algo pertinente a transmitir ( Economia - o futuro ja começou -, modelo simplificado de sistema econômico - dá lugar a uma conversão da famosa tese de Ortega Y., economia política - geopolítica para a região -, etc...).
Aguardamos a sua visita.
Faça o seu comentário.
Desde já agradecemos.