terça-feira, 6 de abril de 2010

Fim do Mar do Aral: um entre bilhões de desastres ambientais diários

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Estamos trocando bilhões do meio ambiente por bilhões de dólares

Ninguém ficará rico assim – e sim muito pobre.

Já estamos muito pobres.

A desertificação do mar de Aral, situado na Ásia Central entre o Cazaquistão e o Uzbequistão, é um dos desastres ambientais mais chocantes do mundo. Foi assim que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, classificou o problema depois de sobrevoar a região.

Mar de Aral

Ban Ki-moon fez uma parada em Muynak, no Uzbequistão, cidade que beirava o mar. Hoje, no lugar da água existe um imenso deserto arenoso e o que se vê são camelos andando entre diversos navios encalhados.

O mar de Aral que já foi um dos quatro maiores da Terra e encolheu surpreendentemente 90% em nove décadas. Em 1920, os rios que o alimentavam foram desviados durante um projeto soviético de irrigação de plantações de arroz, cereais e algodão.

Inicialmente o plano deu certo e em pouco tempo o Uzbequistão tornou-se o terceiro maior exportador de algodão do mundo. Com o passar dos anos, canais mal construídos geraram grande perda da água por vazamento e evaporação. Entre 1961 e 1970, o nível do mar baixou 20 cm por ano em média. Ao mesmo tempo, a concentração de sal da água ficou cinco vezes mais alto acabando com a economia pesqueira da região.

O solo coberto por camadas de areia extremamente salgada não serve mais para nada e causa problemas de saúde a população. A pouca água que restou está poluída. A transformação da paisagem também mudou o clima no local. As temperaturas têm sido mais baixas no inverno e mais altas durante o verão.

Imagens de satélite do mar de Aral

Clique para ampliar

"É claramente um dos piores desastres ambientais do mundo. Eu fiquei chocado”, declarou Ban Ki-moon após visita à região nos primeiros dias de abril. "Peço que todos os líderes sentem-se e tentem encontrar soluções", acrescentou o secretário geral da ONU que ainda prometeu ajuda das Nações Unidas.

A paisagem atual é de apenas lagos dispersos. Segundo Ban Ki-moon, a briga de países vizinhos por recursos hídricos não pode atrapalhar o empenho em tentar fazer algo para minimizar o quadro.


Desertificação
Até 1960, o Mar Aral tinha 68 mil km quadrados de área, com volume estimado em 1.100 km cúbicos de água. Em 1998 sua superfície estava reduzida a 29 mil km quadrados e o volume despencou para 220 km cúbicos. Neste período a salinidade da água subiu proporcionalmente de 10 para 45 gramas de sal por litro de água.

O drama do Aral pode ser melhor compreendido observando as imagens acima, registradas pelo satélite europeu Envisat entre os anos de 2006 e 2009. As cenas mostram uma dramática retração de 80% do lóbulo oriental do lago, que na imagem de 2006 já tinha apenas tinha 11 mil km quadrados. Em 2007 a área era de apenas 10% da original e a salinidade atingiu 100 gramas por litro de água.

O constante esvaziamento do lago deu lugar a um deserto branco e salgado de 40 mil km quadrados, chamado Aral Karakum. Todos os anos as tempestades de areia varrem do leito seco aproximadamente 150 mil toneladas de sal e areia, que são transportadas por centenas de quilômetros causando graves problemas de saúde na população local e tornando os invernos regionais mais frios e os verões mais quentes.

Leia mais sobre o mar de Aral


Fotos: No topo, cena típica do Mar de Aral, dominado atualmente por embarcações encalhadas e camelos que lembram paisagens do Saara. Acima, imagens registradas pelo satélite Envisat mostram claramente o processo de desertificação do Mar de Aral, que até 1960 era considerado o quarto maior lago do mundo. A foto do lado direito mostra o deserto de Aral Karakun, formado a partir do ressecamento do leito. Créditos: ESA/Envisat/Wikimedia Commons.

Direitos Reservados
Fonte: Apolo11 - http://www.apolo11.com/meio_ambiente.php?posic=dat_20100406-080407.inc

Nenhum comentário: