terça-feira, 28 de abril de 2009

Descartáveis

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Em muitos lugares, empresas, faculdades, centros que estudam sustentabilidade, seus mentores, professores e participantes incrivelmente ainda usam copos descartáveis ou descartáveis de todos os tipos.

As mais novas novidades são plásticos para embalar guarda-chuvas na entrada dos prédios e papel higiênico nos mictórios. A dos guarda-chuvas, bem, essa estupidez começou com os prédios comerciais e agora está nos residenciais. Como que nossos avós faziam meu Deus na chuvarada???? A outra novidade é porta papel higiênico e papel higiênico no banheiro masculino ao lado dos mictórios. Nossa, como nunca sentimos falta disso durante centenas de anos??? A mera sacudidela do guarda-chuva e do genital parecia ser suficiente, mas, quanto desconforto sofríamos (até pensei, mas não vou descrever o segundo hábito, as pessoas ainda não perceberam o quão ridículo é...).

Segue decisão da UNB:

Restaurante da UnB veta o uso de copos descartáveis
(Fonte: G1)
Estudantes deverão usar bebedouro ou levar a própria caneca. Medida passa a valer a partir do mês de junho.
Os copos descartáveis serão proibidos no Restaurante Universitário (RU) da Universidade de Brasília (UnB) a partir de junho e quem quiser beber durante as refeições deverá usar os bebedouros ou levar a sua própria caneca. A medida foi definida pelo Núcleo da Agenda Ambiental (NAA) e aprovada pela Reitoria, segundo informações da UnB Agência.

Somente no almoço cerca de 4.000 pessoas comem no local. Como a média de consumo é de dois copos descartáveis por pessoa, são 8.000 unidades diariamente. Além de reduzir o custo para a universidade, a proposta é diminuir o impacto ecológico dentro da UnB.
Entre 14 e 16 de abril, foram distribuídas 2.000 canecas no restaurante para conscientizar a comunidade. Desde o ano passado, foram entregues 6.000 canecas.

A intenção é entregar outras mil em junho, durante o Seminário Ambiental que vai esclarecer dúvidas sobre a extinção dos copos descartáveis no RU e organizar a comunidade para a mudança de postura.
E assista ao vídeo do programa Cidades e Soluções – Sacolas plásticas, em:
http://www.mundosustentavel.com.br/globo220209.asp
visite a fonte de pesquisa: www.mundosustentavel.com.br



De um amigo:

Vamos a questão dos copos descartáveis. Acredito que ou faz, ou faz, não tem jeito. Aqui tenho uma piada para contar. Primeiro dia de aula do curso de especialização em Educação Ambiental. No intervalo, lanche acompanhado de refrigerante. E a surpresa, oh! Copinho descartável. Perguntei para a cooordenadora porque não foi pedido para trazer caneca ou outro. Não preciso nem dizer que houve silêncio e um sorriso amarelo. Insiti que deveria ser pedido para todos levarem sua caneca. O aviso não aconteceu. Na aula seguinte levei minha caneca novamente e o pessoal tem observado que existe um sujeito esquisito. Engraçado, estou procurando um lugar onde o que penso e pretendo fazer deixe de ser esquisito e olha o que acontece. E aí? Aumento a encrenca e arrumo confusão no curso, ou existe outra saída? Até agora estou procurando.

Escrevi:

Vale dizer que a mudança tem que ser interna, que não adianta nada falar de educação ambiental, quando ao mesmo tempo saem todos dali felizes e contentes transformando a nossa casa, o planeta, em uma enorme lata de lixo, com descartáveis. As pessoas ainda não sentiram, elas adotaram a filosofia NIMB: "not in my backyard" (não no meu quintal). Só aqueles que perceberam que somos todos interligados e que tudo está já se voltando contra todos, ação e reação, conseguem ficar horrorizados e evitar sacolas plásticas e descartáveis. É a falta de sensibilidade e consciência, junto com a enorme lavagem cerebral do nosso sistema (no mote "seja feliz sozinho"), que nos faz ainda ser tão irracionais como espécie animal.

De um outro amigo:

Sacos de plástico, copos, vasilhas, garrafas de plástico e todas estas porcarias que inventaram nos últimos 30 anos deveriam ser siplesmente proibidos e voltarmos aos dias das garrafas de vidro que iam e voltavam da Coca Cola e das engarrafadoras de cerveja e das empresas que distribuíam leite.

Escrevi:

Pois é, outro dia li um texto que falava o seguinte: a tal da modernidade está desgastada, vamos pouco a pouco descobrir que o que faziam milhares de anos atrás era o mais correto. Por exemplo, embalagens de plásticos jamais deveriam ser usadas, nem porque são um desastre para o lixo, mas porque é um tipo de embalagem que entra no conteúdo. O vidro não, ele não entra no conteúdo. Ou seja, quando usamos descartáveis de plásticos, transformamos eles numa fonte de alimento, porque eles se misturam ao conteúdo, tornando-o extremamente tóxico.

8 comentários:

nadja disse...

meu querido, venho ensaiando oferecer-lhe meu comentário há tempos, tocada por algumas assertivas sua, sempre agradecida pela sua coragem e disposição. claro q não concordo com tudo. Hoje, enfim, digo o seguinte acerca do desperdício e da mudança de comportamento: não devemos exigir tanto das pessoas de modo geral, visto q nossa diversidade cultural se reveste no maior empecilho de integração humana. Melhor seria, de fato, que nós, os "ecologístas", façamos diferente - desde já, sem olhar o do outro, almejando o que é dele. Comecemos pela seleção dos alimentos q consumimos, com suas inúmeras embalagens e modos duvidosos de produção; pelos bens q adquirimos - carro novo todo ano!-; e como manipulamos nossa atitude urbana - eventos sociais, passeios de navio. Embora seja pouco, corresponderia, na mesma proporção, aos 80% do PIB que temos na mão. Ai, poderemos falar em integração humana. obrigada. Dri

contos e fantasias disse...

sugestões:sacos para lixo em rolo biodegradável(emba lixo) para os fanáticos por sacolinhas
experimente comprar sacos de 100 e coloque todos o lixo até encher a sacola (e não esqueça de separar seu lixo}assim vc faz uma grande economia para você e todo planeta
outro produto legal no mercado é Amazon H2o um sabão em pó ecológico 20 dias para se decompor.
minha escola utliza canecas.Eu tenho descartável por obrigação da vigilancia sanitária ,mas poucos usam.

Hugo Penteado disse...

Dri,

Para se atingir a sustentabilidade, precisamos reconhecer nossa enorme dependencia em relacao a natureza (estou sem acentos), a mudanca de paradigma e finalmente tudo isso levando a uma mudanca interna. Nao vejo nenhuma das pessoas ligadas nesse processo como exemplos, porque se alguem quiser fazer algo para ser exemplo para os outros, jah comecou errado. A mudanca e interna.

Eu jah faco muita coisa nao compro mais carro, meu ficara ateh euficar velho e morrer, nao compro nada com embalagens, no supermercado a regra eh embalou coloriu igual a veneno e por aih vai.

Al Gore teve um problema serio quando compararam a casa dele ao de Buch no famoso artigo do NY Times The Tale of Two Houses. Nem preciso dizer que ele levou bola preta. Ou seja, nao dah para manter contradicoes.

Beijos

Hugo

Sibele disse...

Hugo, desculpe-me por te corrigir, mas apenas um plástico não profissional (feito por não-especialistas) seria capaz de contaminar os alimentos nele envazados. Estou no meio do mestrado em ciência de polímeros, justamente para tentar transformar lixo plástico em material de construção, e afirmo isso sobre as embalagens plásticas por estar imersa no assunto em profundidade.
Combato ferozmente o uso de descartáveis, mas também não posso permitir que uma informação equivocada sobre plásticos passe batida por mim. O trabalho realizado com um polímero (todos os plásticos, borrachas e resinas são polímeros sintéticos) é submetido a uma série exaustiva de testes, ensaios e pesquisas, e os grandes produtores de alimentos envazados em plástico sempre buscam especialistas para desenvolverem suas embalagens. O próprio Instituto de Macromoléculas Eloisa Mano da UFRJ, onde estudo, presta serviços a essas empresas, desenvolvendo novos compósitos ou solucionando problemas que aparecem às vezes em embalagens de alguns produtos.
E tenho minha própria caneca lá, apesar de não ser obrigatório. E o uso q faço dela influenciou muitas pessoas lá a doarem copos de vidro para uso comum em nossa copa.
Ainda boto mais fé no "pense global, aja local" do que em qualquer outra coisa :)

abração

Hugo Penteado disse...

Sibele, claro que é bom saber a verdade. Há várias matérias na internet (basta pesquisar) de pesquisas apontando que o plástico entra no conteúdo, contaminando-o e tornando o conteúdo tóxico. Foi daí que eu extraí essa idéia. Então não sou eu que tenho que ser corrigido, mas toda uma legião de matérias nesse sentido, inclusive em muitas delas avisam que se agrava a contaminação do plástico no conteúdo quando usado por muito tempo, exposto ao sol ou ao calor, ou ao frio. Eu posso dizer uma coisa que eu percebi na época que comecei a me preocupar com isso é que realmente o gosto da água é insuportável para mim se ele estiver numa garrafa plástica, eu realmente sinto alteração.

Manda um email seu para descobrirmos onde essa informação está errada e confrontarmos, pois isso é muito dito.

Abraço Hugo

Sibele disse...

Hiiii, Hugo, aí o papo pode ficar científico demais. Você tem certeza que quer que eu responda isso aqui, ou posso te mandar por e-mail, aí vc decide?
De qualquer forma, 99% dos e-mails alarmistas sobre uso, embalagens, filmes plásticos, são PURA BABOSEIRA, ignorância mesmo. Pra você ter noção, o assunto é tão complexo que mesmo meus colegas químicos e engenheiros químicos têm dificuldade em entender certos mecanismos e reações que ocorrem em síntese de polímeros e processamento de termoplásticos.
Mas só a título de ilustração: você NÃO vai ingerir material tóxico proveniente de plásticos se usar um pote plástico no microondas (no máximo vai deformar o pote, porque ultrapassou sua temperatura de amolecimento). Muito menos vai se contaminar com café quente em copinhos descartáveis, pois NÃO OCORRE reação química somente com adição de calor a um plástico termoformado.
Em suma, tô falando superficialmente. Se vc quiser esmiuçar o assunto em profundidade, podemos continuar por e-mail :)

abração

Siba

Hugo Penteado disse...

Sibele, quero fazer um artigo sobre isso. A mídia publicar informações erradas é mais comum do que se imagina, é nosso dever falar a verdade. Eu não sabia disso e multipliquei essa convicção na mídia sobre o plástico contaminante, até li um texto de outra pessoa que comprou erradamente essa idéia dizendo que estamos descobrindo que o que era feito milhares de anos atrás era melhor e que o vidro é a melhor embalagem porque não entra no conteúdo.

Isso me deixa pesaroso, pq era um motivo para motivar talvez as pessoas a não usarem, pq vc mesma disse que abomina os descartáveis e nós dois sabemos que isso é um desastre planetário que coloca em risco a vida na TErra, inclusive a nossa. Será que as pessoas que vivem a filosofia do Nimb (not in my backyard ou o problema não vai cair no meu quintal) e o "seja feliz sozinho" vão demorar mais para se horrorizar como eu com os descartáveis? Ontem estive numa loja Amor aos Pedaços no Shopping: tudo é descartável, pratos, copos, colheres, tudo... e ainda vendem sacolas de pano. É bem contraditório.

É uma luta.

Bj Hugo

Hugo Penteado disse...

vamos nos falar pelo email e bolar esse artigo juntos: vc tem meu email né?