quarta-feira, 20 de abril de 2011

Never believe anything until it has been officially denied

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Depois da defesa “científica” da energia nuclear por Monbiot, que alguns abraçaram com ardor e com o mesmo “cientificismo”, essa frase se aplica perfeitamente bem: “Never believe anything until it has been officially denied”. Gostaria de saber se Monbiot moraria na vizinhança de uma usina nuclear, cujos danos foram negados “em cima de informações precisas fornecidas por um dos regimes mais abertos do planeta, com pouquíssimas dificuldades de estabelecer elos causais e sem nenhuma influência lobbista”. Sim: é uma ironia.

Mas, mudando de assunto, eu nunca acreditei que o território dos países se expandisse, como pregam todas as escolas econômicas, mas fiquei em dúvida agora, parece que a disputa atual por terras está em choque com essa “verdade”.

A notícia abaixo é uma prova contundente que o território dos países é constante e que mesmo com aumento de produtividade, infinita substituição de recursos ou mesmo com a crença infantil de Robert Solow e Joseph Stiglitz que o capital “produzido” pelo homem (máquinas, equipamentos, etc.) é um perfeito substituto da natureza, diversas atividades competem por um espaço finito e esse fator está se tornando um grande limitador e escasso (ao que tudo indica o planeta não é um limitador para acúmulo de dejetos radiativos em fluxo exponencialmente crescente...):

Green Acres: China crop shortfalls

More signs of Green Acres, take a look at the Bloomberg News article, "China Crops In Short Supply As Fewer Farms Spur Food Prices." China's farmland shrank by 8.33 million hectares (20.6 million acres) in the past 12 years according to China's top agriculture adviser. Land under cultivation has almost fallen to the 120 million hectare limit set by the Chinese government. Farmland is being consumed by factories, housing, desertification and an effort to reforest the country side. The drop in farmland combined with rising food demand means China is less likely to feed itself. This will drive the price of Ag commodities higher as China increasely turns to global export markets to fill its foodstuff needs. Here are some tidbits from the Bloomberg article: 1) According to the UN's Food and Agriculture Organization, global food output will have to climb 70 percent between 2010 and 2050 as the world population swells to 9.1 billion people and rising incomes boost meat and dairy consumption and 2) China, the world's biggest grain producer, was a net exporter of soybeans until 1995. This year it's forecast to import 57 million tons, or almost 60 percent of global trade.

O texto acima revela que: 1) não será possível alimentar 9,1 bilhões de pessoas de forma sustentável; 2) cada vez mais provável que jamais chegaremos a esse número, totalmente ao contrário, possível retrocesso com o colapso energético-ambiental ligado aos enormes atrasos ecológicos e mudanças sistêmicas; 3) a única forma de aumentar a produção é ampliar a área cultivada para cima dos remanescentes florestais e outras áreas de grande interesse ecológico, como pântanos (vide exemplo do aumento na safra desse ano de 4.000.000 de hectares nos EUA em cima de hotspots como pântanos e áreas antes ambientalmente protegidas...).

Moral da história: parece que o território dos países é de fato constante e não pode ser incrementado quando tiver sido totalmente ocupado (na verdade bem antes de ser totalmente ocupado, o colapso dos serviços ecológicos já se transformará em um enorme limitador).

A superclasse vai levar quanto tempo para descobrir que a Terra é um Titanic sem bote salva-vidas?

2 comentários:

dilamar santos disse...

A imagem do Titanic é perfeita.Afundaremos todos.Sem gelo pro pessoal do porão. Dilamarsantos@gmail.com

Pedro disse...

Poxa Hugo, em resposta a sua pergunta no fim do post, acho que nunca! Já perdi qualquer esperança que essa consciencia se de sem que o desastre realmente ocorra antes. Mesmo com o ocorrido em fukushima por exemplo, ainda há quem defenda a energia nuclear, o que mais me assuta é ver como algumas atitudes estão tão enraizadas na mente das pessoas que mesmo não tendo nenhuma ligação com determinados eventos, mesmo não tendo nenhum interesse em algo, elas defendem uma ideologia que não é delas, que em nada as beneficia! Seria esse o apocalipse real? A humanidade está regredindo intelectualmente? É o que quero acreditar!