quarta-feira, 1 de julho de 2009

Um economista tradicional jamais responderá uma questão de sustentabilidade

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Hugo Penteado

Não acredito que tudo isso que esteja sendo feito no âmbito da sustentabilidade empresarial seja suficiente para mitigar os riscos planetários que nos auto-impomos, até porque não significa uma visão macro-sistêmica nem uma mudança de paradigma. Mesmo assim, dá para se dizer que algumas inovações interessantes, pertinentes e louváveis foram feitas. Apesar de tantas mudanças de atitude, a maioria dos economistas toda vez que alguém de sustentabilidade ou alguém da área de economia ecológica o aborda a resposta é sempre a mesma: meio ambiente não tem nada a ver comigo. Eles acreditam no mito de separação entre economia e meio ambiente, eles acreditam que a natureza e o planeta é um subconjutno da economia, quando é justamente o oposto. Eles escreveram e assinam embaixo todos os dias que quando acabarem os recursos naturais, água incluso, iremos continuar produzindo e que a economia pode sim ser maior que o planeta.

Mudar a mentalidade dos economistas, fazê-los assumir os erros e problemas da teoria econômica tradicional, vem sendo tentado há décadas por vários cientistas. A prova definitiva será dada pela natureza e é claro que se forem reprovados, essa mentalidade terá sido capaz de dar cabo a todas as formas de vida na Terra. Infelizmente, quando Keynes escreveu que no longo prazo todos estaremos mortos, ele esqueceu que isso só é verdadeiro do ponto de vista individual. E o sistema econômico pode ser tudo, menos um sistema voltado para o indivíduo e sim um sistema de sustentação da nossa espécie animal, que deveria ser maximizada e não minimizada em troca de um futuro sombrio e causando nossa extinção.

2 comentários:

phillype disse...

Impressionante como os economistas Heterodoxos se esquecem do que aprenderam com Friedman .

Os Ambientalistas querem que as pessoas pratiquem auto-sacrifício do bem-estar para o benefício de outras espécies - como a camarada biota - e do planeta, tudo sob os auspícios de tratados internacionais e de um nascente Estado Socialista Global: a ONU. Grande parte da raça humana deve ser exterminada para o bem das espécies.

A "ala moderada" apenas quer reduzir as emissões de dióxido de carbono em 90% e, com isso, reduzir o padrão de vida de todas as nações para níveis de terceiro mundo, com índices de mortalidade infantil e expectativa de vida típicos desses países).


Email Phillype_loredo@hotmail.com

Gláucia disse...

Oi Hugo, estou fazendo um tcc, pra minha faculdade, cuja temática envolve a educação ambiental voltada para os professores. Estou usando seus escritos críticos como base, para escrever um dos capítulos do tcc, onde tento explicitar as incorências do desenvolvimento sustentável, diante da ótica da economia tradicional.

Para isso, estou lendo muitos de seus artigos, e pretendo adiquirir seu livro, da Ecoeconomia: uma nova abordagem, pois vc fala com muita propriedade desse assunto.

bons fluídos, pra ti
e bons tempos para nós!


email:gsamparock@hotmail.com