terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

AS CAUSAS DO AUMENTO DE PREÇOS E DA CRISE ALIMENTAR NO MUNDO

Por favor se comentar deixe um email para contato.

http://www.movimientos.org/show_text.php3?key=18960

Egidio Bruneto e Joao Pedro Stedile*

Companheiros/as,
Nas ultimas semanas tem circulado diversos artigos e comentarios sobre a crise do aumento dos preços de alimentos. A maioria das análises são boas. Embora alguns ficam presos a visão economicista de oferta e demanda. Ou de algum problema de seca ou enchente de algum país, que de fato não são a causa do aumento dos preços dos alimentos.
Dentro do MST e da via campesina temos produzido boas analises, e nunca é demais reforça-las. Por isso estamos compartilhando com voces, a nossa opiniao, como uma especie de resumo sobre as causas dos aumentos de preços dos alimentos e da crise alimentar que afeta a milhões de seres humanos, além do um bilhão de famintos que ja passam fome todos os dias, segundo a FAO.

1-O controle oligopólico que algumas poucas empresas tem do comércio agricola mundial, dos principais produtos, como :soja, milho, arroz, trigo, o leite e as carnes. E elas impoem um preço, independente do custo real de produção.

2-A especulação de grandes investidores fazem nas bolsas de mercadorias agricolas. E transformaram os alimentos em meros papeis de negocios. Comenta-se nos jornais que já estão vendidas nas bolsas as proximas sete safras de soja do mundo. Elas já tem dono, como titulos de vendas.
3-A especulação financeira: muitos bancos investem seus capitais volateis em mercadorias agricolas, para se proteger da crise. geral.
4-A produção agricola de agrocombutiveis, que tem seus preços baseados no petroleo, acabam influenciando a taxa media de lucro na agricultura para cima. E assim, por causa do preço do etanol elevado, sobem todos os produtos agricolas.
5- O elevado custo de transformar milhões de toneladas de cereais em proteina animal. Ou seja, as elites demandam cada vez mais carnes, e com isso parte da produçao de vegetais, que poderiam ser consumidas pela população vão para os animais e acabam influenciando o aumento de preço das carnes.
6-As privatizações dos serviços publicos para agricultura, entregando sob controle das empresas transnacionais. E com isso aumentam os custos no preço final.
7-As legislações ambientais de sanidade e certificações de patentes, ~foram organizdas no periodo dos governos neoliberais para favorecer o controle oligopolico de algumas empresas sobre a maioria dos produtos, que exigem transformação industrial. E esse poder, eles impoem seus preços.
8- A regra geral imposta pela OMC (Organização mundial do comercio) a partir de 1994, que transformou os alimentos em meras mercadorias, que devem ser regularizadas apenas pelo mercado. E como o mercado é controlado pelas grandes empresas transnacinais, isso tem efeito direto no preço.

9- A introduçao da propriedade privada das sementes transgênicas, impos uma nova matriz tecnologica com custos de produçao maiores e em beneficio das mesmas empresas que controlam o comercio, controlam as sementes e os insumos agricolas.

10. Há uma corrida dos capitalistas em geral e das grandes empresas, rumo ao hemisferio sul, para se apoderarem dos recursos naturais: terras, agua, lagos, reservas de madeira, etc. e com isso vão expulsando as populações nativas e os camponeses em geral, e impondo a regra geral do capital sobre os alimentos.

11- Nas últimas duas décadas com o processo de internacionalização do capital e das empresas capitalistas, os preços dos alimentos se internacionalizaram. Isso determina que os parametros de produçao e dos preços, não são mais o custo real de produçao de alimentos em cada país, mas se estabelece um preço ,medio, mundial, controlado pelas empresas, e que exclui completamente outras formas de produçao, locais, camponesas, etc.


Como se vê, a luta pela soberania alimentar que os movimentos da via campesina em todo mundo adotaram como prioridade é mais do correta, é necessária e urgente. A soberania alimentar é a politica de que cada povo, em sua região, municipio, e país, desenvolva condições para produzir os alimentos que precisa para sobreviver. E só exporte o excedente, e só importe o que vai alem de sua cesta basica de acordo com seus habitos alimentares.
Alem disso, todos os nutricionistas advertem que nossa dieta alimentar tem que ser a partir dos alimentos produzidos nos biomas aonde vivemos. Isso é que garante energia saudavel para reprodução de todos os seres vivos, em seu proprio habitat. As empresas transnacionais estão transformando o mundo, num único e grande supermercado, a base de soja e milho.

Esperamos que as contradições que o movimento do capital, nos apresenta a cada dia, nos ajude a conscientizar nossa base e a sociedade em geral, para as mudanças necessárias, para um novo modelo de produçao agricola, no Brasil e no Mundo.

Eta tarefinha, boa!

abraços

*Militantes do MST e da via campesina

Nenhum comentário: