quarta-feira, 1 de setembro de 2010

"Nosso modelo de desenvolvimento está falido", diz Jeffrey Sachs

Por favor se comentar deixe um email para contato.

Incrível! Não sei se é uma conversão completa, mas é um grande passo. E corajoso.

Hugo


"Nosso modelo de desenvolvimento está falido", diz Jeffrey Sachs

Para o economista e conselheiro da ONU, o PIB é hoje um indicador muito fraco para medir o crescimento de um país, pois não leva em conta a sustentabilidade

*Elisa Campos, de Nova Lima

Wikimedia Commons

Jeffrey Sachs: economista está preocupado com a sustentabilidade


Jeffrey Sachs mudou de idéia. Taxado de ultraliberal por seu trabalho nas décadas de 80 e 90 na América do Sul e no Leste Europeu, o economista americano não acredita mais na mão invisível do mercado. “A economia de livre mercado é insustentável do ponto de vista econômico, social e ambiental”, afirmou o professor da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, e conselheiro da ONU, em conferência internacional promovida pela Fundação Dom Cabral, em Nova Lima, Minas Gerais.


As grandes catástrofes naturais vistas recentemente, como as enchentes no Paquistão e as queimadas na Rússia, seriam, para Sachs, sinais de que nosso modelo de desenvolvimento está falido. “Hoje, medimos o sucesso de um país pelo crescimento de seu PIB. Este é um indicador fraco, que dá conta de uma parte muito pequena do bem-estar da população”. O parâmetro exclusivamente financeiro mostra que a preocupação com a sustentabilidade ainda não está em primeiro plano. “O mundo não está crescendo de maneira sustentável”, diz o economista.


Sachs é especialmente rigoroso em sua análise da sociedade americana, que acusa de ser uma das grandes culpadas pela degradação ambiental e pelo caos financeiro dos últimos tempos. “Há um colapso de valores nos Estados Unidos. Criamos uma das maiores crises já vistas na história, por uma total incompreensão do mundo e pelo consumismo extremo. Não existe discussão inteligente sobre sustentabilidade nos Estados Unidos. Os americanos passam atualmente cerca de quatro horas por dia em frente à TV, assistindo a uma infinidade de propagandas, que não mostram problemas como o aquecimento global, mas que instigam a compra de mais e mais produtos”, afirma Sachs.


Uma sociedade de consumo, alienada, dominada pelas grandes corporações e que não aprendeu nada com a última crise. Essa é a visão do economista sobre seu país natal e a maior economia do mundo. “Aprendemos a vender tudo, inclusive alguém como George Bush. Não somos mais capazes de distinguir entre realidade e fantasia. E, mesmo depois da crise, nada mudou. O candidato da mudança [o atual presidente americano, Barack Obama] também teve sua campanha financiada pelo Goldman Sachs. Os americanos continuam sem poupar e o governo continua a estimular a compra de casas, mesmo para aqueles sem condições financeiras de comprá-las”, diz o conselheiro da ONU.


As conseqüências do consumo excessivo e da desigualdade de distribuição de renda em nível global trazem, segundo Sachs, impactos gravíssimos. “Dizem que o terrorismo cresce no Oriente Médio e no Iêmen por causa de grupos mulçumanos fanáticos. É mentira. Ele se desenvolve, porque esses são locais secos, cada vez mais secos, e pobres, onde as pessoas passam fome. Países fáceis para os terroristas recrutarem. Enviar mísseis como vêm fazendo os Estados Unidos, não vai resolver nada. Só matar pessoas. O que há é uma escassez de recursos”.


Apesar de todo o pessimismo, o americano ressalta um aspecto importante em relação à sustentabilidade: os problemas ambientais do mundo têm solução e elas são conhecidas. O que é necessário é iniciar as mudanças. “O que as pessoas precisam se lembrar é que não se trata apenas de negócios, trata-se do mundo”. Jeffrey Sachs mudou. O mundo irá acompanhá-lo na mudança?

2 comentários:

Pierre disse...

Achei esse post tudo a ver com você:

http://dirt.asla.org/2010/09/01/mckinsey-survey-reports-companies-see-biodiversity-loss-as-emerging-concern/

Abraços e continue o mesmo,

Pierre

L Janz disse...

Concordo contigo Hugo.. "isso é incrível!" Será que o caríssimo recebeu alguma visita angelical nos últimos tempos? A julgar pelo teor da mudança, não se pode negar a enorme possibilidade de algum tipo de intervenção divina junto a mentalidade do Ilustre. :D

De qualquer maneira, fato é que esse é o único caminho de salvação. Ou nós mudamos ou assistiremos ao nosso próprio funeral.